Autobiografia em cinco capítulos

Sobre a gentileza com o processo terapêutico

Autobiografia em cinco capítulos

publicado por

1. Ando pela rua.

Há um buraco fundo na calçada.

Eu caio...

Estou perdido... Sem esperança.

Não é culpa minha.

Leva uma eternidade para encontrar a saída.

2. Ando pela mesma rua.

Há um buraco fundo na calçada.

Mas finjo não vê-lo.

Caio nele de novo.

Não posso acreditar que estou no mesmo lugar.

Mas não é culpa minha.

Ainda assim leva um tempão para sair.

3. Ando pela mesma rua.

Há um buraco fundo na calçada.

Vejo que ele ali está.

Ainda assim caio... É um hábito.

Meus olhos se abrem.

Sei onde estou.

É minha culpa.

Saio imediatamente.

4. Ando pela mesma rua.

Há um buraco fundo na calçada.

Dou a volta.


5. Ando por outra rua.

[ Extraído do livro "O Livro Tibetano do Viver e do Morrer"  Sogyal Rinpoche – Editora Talento / Palas Athena ]

Na emergência das dores causadas por nossas feridas emocionais quase sempre temos a esperança secreta de encontrar uma técnica, método ou abordagem terapêutica que solucione as nossas angústias de forma rápida e definitiva. A nossa criança emocional ferida, como toda criança, é imediatista. O texto acima traz as etapas que a meu ver, fazem parte de todo processo de auto desenvolvimento.

No primeiro momento nos vemos vulneráveis em uma situação nova. Por sermos surpreendidos, não temos uma estratégia para lidar, ficamos perdidos e levamos tempo para encontrar a saída.

Quando menos esperamos, nos vemos novamente no mesmo lugar de vulnerabilidade de antes. De novo? Sim. Somos movidos de forma inconsciente a esse lugar. Ainda não foi possível detectar um padrão de comportamento, identificar gatilhos, fingimos não ver a situação que estamos nos colocando. E novamente sofremos um monte para encontrar a saída.

E novamente um tempo depois lá estamos nós de novo. Mas algo acontece de diferente agora, já temos a intuição que aquele é um lugar de vulnerabilidade, conseguimos ver isso. Trazer para a consciência, mesmo que de forma difusa. Ainda assim caímos. É o poder do hábito. Ter consciência já é uma quebra importante, mas não resolve de imediato. Por outro lado, já assumimos a responsabilidade pela nossa condição e conseguimos sair da situação mais depressa.

Continuamos a flertar com esse lugar de vulnerabilidade, porém já conseguimos não cair nele. Até que chega o momento que simplesmente já o aprendemos a evitar, e isso acontece quase que naturalmente.

As ferramentas de autoconhecimento dos processos terapêuticos entram em cena para levar ao ganho de consciência. E com essa consciência de nós mesmos e das situações a nossa volta nos empoderamos para a mudança de hábito. O tempo que leva é de cada um. E quanto a nossa criança interna imediatista, devemos acolhê-la de forma gentil. Não dá para fazê-la parar de chorar a força, mas com o devido jeito, as lágrimas serão amenizadas e o sorriso aparecerá naturalmente.

Prem Arishiti (Paulo)
Utiliza técnicas de meditação e massagem objetivando a integração entre corpo e mente para uma nova percepção do prazer e expansão da experiência orgástica, proporcionando auto conhecimento através de um estado ampliado de consciência.

Veja o perfil completo

Outras reflexões para você

Todos nós passaremos por momentos em que nossos corpos não funcionarão sexualmente da maneira que gostaríamos.Seja por falta de desejo...
Um elemento essencial que faz parte da massagem tântrica é o aprendizado da respiração de forma consciente. Esse é um componente...
[ art: "Formation of Emptiness" by Lora Zombie ]Quando me refiro ao vazio, não digo exatamente sobre a falta, a ausência de algo, talvez...
A doença, segundo a filosofia dos florais, é o resultado do conflito que surge quando a personalidade (as características próprias e...
Ao longo da minha trajetória como terapeuta tântrica, tenho crescido e me desenvolvido como ser humano. Tenho aprendido tanto e de tantas...
O contato com o Tantra possibilita uma espécie de sabedoria que não é o saber racional e lógico usual, da forma como o conhecemos. Santo...
No nosso último artigo, falamos sobre o tema Implantes astrais, o que são e como atuam na sexualidade. No último artigo, demos seguimento a...
Chamada de parafilia (preferência sexual fora da normalidade), a podolatria pode ser definida como uma atração nos pés, como se os pés...
Olhe pra dentro. O que tem em você que é admirável? Você consegue enxergar? Pra que se julgar tanto? Se cobrar tanto? Ser tão duro(a)...
O QUE É A TERAPIA TÂNTRICA? O Tantra é uma terapia vivencial, prática, extensiva, resolutiva e personalizada, buscando, através do...
Essa é uma queixa que a maioria das mulheres apresentam dentro da terapia orgástica. Se você já perdeu o tesão de transar porque sente dor...
Desde o começo da humanidade sempre houve práticas visando o desenvolvimento pessoal e espiritual do ser humano. São várias religiões e...
Você conhece o Kundalini? Mesmo que o termo não lhe seja estranho, é provável que esteja pouco familiarizado com seu conceito. Afinal,...
É um longo caminho do sexo ao samadhi. Samadhi é a última meta; sexo é apenas o primeiro passo. E eu quero realçar que as pessoas que se...
Ninguém disse que seria fácil ou difícil reencontrar a alma. Geralmente as pessoas que já encontraram não confessam os detalhes do caminho,...
Certa vez, em uma aula de Biodanza de um facilitador que eu admiro muito, ele nos convidou a olharmos com honestidade para nosso interior e...
Inegável afirmar que não somos seres cíclicos e não seguimos os movimentos de um calendário lunar, solar, semana após semana, mês após mês,...
A liberdade pode ser de três tipos, e esses três tipos tem que ser bem entendidos. A primeira é liberdade de, a segunda é liberdade para e...
No tantra a essência da consciência feminina e masculina não se reduz a visão mulher e homem, muito menos a genitalia. Talvez...
Veja todos

Receba novas reflexões por email...